Últimas

Metrô Linha 743

1501263_956853570995908_3523451501224331469_o (cópia)

Vivemos sem sentir o país sob os pés,
Nem a dez passos ouvimos o que se diz,
E quando chegamos enfim à meia fala
O montanheiro do Krémlin lá vem à baila.
Dedos gordurosos como vérmina gorda.
Riem-se-lhe os bigodes de barata,
Reluzem-lhe os canos da bota alta.
À volta a escumalha — guias de fino pescoço —
Nas vênias da semigente ele brinca com gozo.
Um assobia, o outro geme, aquele mia,
Só ele trata por tu, escolhe companhia.
Como ferraduras, lei ‘trás de lei ele oferta,
Em cheio na virilha, olho e sobrolho e testa.
Cada morte que faz — crime malino
E o peitaço tem amplo, o ossetino.

– Mandelstam
[Tradução de Nina Guerra e Filipe Guerra]

corpo

U_61_426957462764_paveltchelitchew1 (cópia)

Não faças poesia com o corpo,
esse excelente, completo e confortável corpo, tão infenso à efusão lírica.

Tua gota de bile, tua careta de gozo ou dor no escuro
são indiferentes.
Não me reveles teus sentimentos,
que se prevalecem de equívoco e tentam a longa viagem.
O que pensas e sentes, isso ainda não é poesia.

– Drummond

Adiamento

10711124_535832546561090_1712462659793430161_n (cópia)

Depois de amanhã, sim, só depois de amanhã…
Levarei amanhã a pensar em depois de amanhã,
E assim será possível; mas hoje não…
Não, hoje nada; hoje não posso.
A persistência confusa da minha subjectividade objectiva,
O sono da minha vida real, intercalado,
O cansaço antecipado e infinito,
Um cansaço de mundos para apanhar um eléctrico…
Esta espécie de alma…
Só depois de amanhã…

picasso_The_Painter_Salvado_Dressed_as_a_Harlequin_1923_

Hoje quero preparar-me,
Quero preparar-me para pensar amanhã no dia seguinte…
Ele é que é decisivo.
Tenho já o plano traçado; mas não, hoje não traço planos…
Amanhã é o dia dos planos.
Amanhã sentar-me-ei à secretária para conquistar o mundo;
Mas só conquistarei o mundo depois de amanhã…

Sem título

Tenho vontade de chorar,
Tenho vontade de chorar muito de repente, de dentro…
Não, não queiram saber mais nada, é segredo, não digo.
Só depois de amanhã…
Quando era criança o circo de domingo divertia-me toda a semana.
Hoje só me diverte o circo de domingo de toda a semana da minha infância…
Depois de amanhã serei outro,
A minha vida triunfar-se-á,
Todas as minhas qualidades reais de inteligente, lido e prático
Serão convocadas por um edital…
Mas por um edital de amanhã…

draw-circus

Hoje quero dormir, redigirei amanhã…
Por hoje qual é o espectáculo que me repetiria a infância?
Mesmo para eu comprar os bilhetes amanhã,
Que depois de amanhã é que está bem o espectáculo…
Antes, não…
Depois de amanhã terei a pose pública que amanhã estudarei.
Depois de amanhã serei finalmente o que hoje não posso nunca ser.
Só depois de amanhã…
Tenho sono como o frio de um cão vadio.
Tenho muito sono.
Amanhã te direi as palavras, ou depois de amanhã…
Sim, talvez só depois de amanhã…

O porvir…
Sim, o porvir…

– Álvaro de Campos

V

images-cms-image-000832382 (cópia)

Que lle podo ofrecer a quen me intente?:
días contados de paixón inerte
e amor eterno sempre compartido
coa débeda obrigada a unha existencia
amortizada en pagos usurarios
conxugando os verbos vivir e amar
en primera persoa do plural
reducidos ás formas do presente

¿Que lle podo ofrecer a quen me intente
se son un fío solto da esperanza
tecida e destecida
por Penélope?

– Lois Pereiro

Ferdinand_Hodler_004 (cópia)

Bandeira: Homenagem a Tonegaru

.                                    c    o    n    s    t    a    n    t

.                                                j

.                                                a  m  a  i  c  a                        p

.                                                      l                                       o

.                                                          i                                   e

.                                                               v                             s

.                                                                    a                        i

.                                                 l       i      b      e      r     d     a     d      e

.                                                                u

.                                                                c

.                                                     r  u  m  a  n  i  a                                             m  a  r  t  i  n  i  c  a

.                                                                a

.                                                                r                                                                           i              b    a

.                                                                e                                                                                       u

.                                                                s                                                                                   c

.                                                                t

.                                                                                                                                                              d

.                                                                                                                                         t  o  n  e  g  a  r  u

 

António Nobre Fala ao Coração

007773001013 (1)

Meu Coração, não batas, pára ! Meu
Coração, vai-te deitar ! A nossa dor,
bem sei, é amara, A nossa dor, bem
sei, é amara : Meu coração, vamos
sonhar … Ao Mundo, vim, mas
enganado. Sinto-me farto de viver :
Vi o que ele era, estou maçado, Vi o
que ele era, estou maçado, Não batas
mais ! vamos morrer … Bati à porta
da Ventura Ninguém ma abriu, bati
em vão : Vamos a ver se a sepultura,
Vamos a ver se a sepultura, Nos faz o
mesmo, Coração ! Adeus, Planeta !
adeus, ó Lama ! Que a ambos nós
vais digerir. Meu Coração, a Velha
chama, Meu Coração, a Velha chama
: Basta, por Deus ! vamos dormir …

12063778_982152978490560_2606788941902360320_n

sozinho com todo mundo

1044862_287850014692679_93339789_n (cópia)

a carne cobre os ossos
e colocam uma mente
ali dentro e
algumas vezes uma alma,
e as mulheres quebram
vasos contra as paredes
e os homem bebem
demais
e ninguém encontra o
par ideal
mas seguem na
procura
rastejando para dentro e para fora
dos leitos.
a carne cobre
os ossos e a
carne busca
muito mais do que mera
carne.

1485094_384251521719194_1987102243_n (cópia)

de fato, não há qualquer
chance:
estamos todos presos
a um destino
singular.

ninguém nunca encontra
o par ideal.

as lixeiras da cidade se completam
os ferros-velhos se completam
os hospícios se completam
as sepulturas se completam

nada mais
se completa.

 

naked-portrait-1973-141B97D845E0E660596 (cópia)

ALONE WITH EVERYBODY

the flesh covers the bone
and they put a mind
in there and
sometimes a soul,
and the women break
vases against the walls
and the men drink too
much
and nobody finds the
one
but keep
looking
crawling in and out
of beds.
flesh covers
the bone and the
flesh searches
for more than
flesh.

a014
there’s no chance
at all:
we are all trapped
by a singular
fate.

nobody ever finds
the one.

the city dumps fill
the junkyards fill
the madhouses fill
the hospitals fill
the graveyards fill

nothing else
fills.

– Charles Bukowski (“Love is a dog from hell”)